O mundo do ecommerce está em permanente atualização. Este dinamismo exige-nos uma aprendizagem e estudo constantes. À medida que vamos contactando com diferentes clientes, empresas, marcas, formandos(as) e com todos(as) os(as) interessados(as) no mundo do comércio digital, apercebemo-nos da lacuna existente no que toca à definição, em língua portuguesa, de certos “chavões” usados no ecommerce. Desta feita, decidimos construir um glossário, no qual pudéssemos explicar, de forma clara e sucinta, variados termos associados ao mundo das lojas online e ao próprio marketing – que, como sabemos, é indissociável de tudo o que envolve as vendas no digital. 

Os termos do glossário estão ordenados alfabeticamente.

Índice

Termos relevantes de ecommerce

Acessibilidade

A acessibilidade diz respeito às facilidades oferecidas pela loja online ao consumidor. Pode ser definida como a viabilização do acesso aos conteúdos do site com o mínimo de restrição possível para todo o tipo de utilizador, independentemente das suas capacidades físicas, motoras, sociais ou culturais.

Apoio ao Cliente (Customer Care)

Corresponde ao apoio prestado aos clientes antes, durante e após a compra. É um dos fatores-chave para o sucesso de qualquer ecommerce e pode ser feito tanto no website, como nas redes sociais, ou mesmo por telemóvel. O cliente deve ser o epicentro das atenções e o grande foco de qualquer negócio. “O coração do ecommerce é o serviço de apoio ao cliente (customer care)”.

Audiência

A audiência diz respeito ao conjunto de pessoas com necessidades e características que vão ao encontro das especificidades da sua loja online. 

Audiência fria

Conjunto de consumidores que nunca visitaram o seu site ou loja online.

Audiência morna

Fase em que os consumidores já conhecem a sua marca/empresa/loja online, mas ainda não foi estabelecida uma relação.

Audiência quente

Diz respeito à audiência que, efetivamente, criou uma relação com a sua marca e que visita a loja online frequentemente. Esta audiência está mais propensa à compra.

Automação de Marketing (marketing automation)

Cada vez mais importante para o sucesso das lojas online, os softwares de automação de marketing – ou marketing automation -, como o nome indica, permitem automatizar processos e chegar à audiência de forma mais segmentada e pertinente. No caso do ecommerce, o envio de um email de abandono do carrinho ou o envio de um email quando o cliente está há mais de um mês sem comprar na sua loja online, são exemplos de marketing automation.

B2B (Business to Business)

Refere-se, na prática, ao facto de uma empresa atuar com foco noutras empresas e não no consumidor final. Ou seja, as empresas fazem negócio com outras empresas.

B2C (Business to Consumer)

Refere-se a operações com foco no cliente final. Ou seja, as empresas fazem negócio com o consumidor final, com o comprador/cidadão comum. 

Backoffice

O Backoffice (Sistema de Gestão de Conteúdos) de um site permite a alteração de conteúdos, produtos e informações do seu website, de forma simples e rápida. Desta forma, obtém total autonomia na gestão e atualização da sua loja online, uma vez que estas alterações poderão ser realizadas a partir de qualquer localização e de qualquer dispositivo com acesso à internet. Desta feita, é assegurada a independência do cliente ao nível da gestão do próprio website.

Benchmarking

Segundo a Comissão Europeia, benchmarking diz respeito a um “processo contínuo e sistemático que permite a comparação das performances das organizações e as respetivas funções ou processos face ao que é considerado o melhor nível, visando não apenas a equiparação dos níveis de performance, mas também a sua superação”. Ou seja, trata-se de um instrumento de melhoria de eficiência que começa com uma pesquisa exaustiva e termina com a implementação de ações específicas. Como grau de comparação, uma empresa define uma outra empresa – ou várias empresas – como ponto de referência. Investiga-a(s) e compara-a(s) consigo própria com o objetivo de perceber em que medida poderá melhorar os seus produtos, serviços ou práticas.

Black Friday

Conhecida por dar nome ao dia de saldos que inaugura a temporada de compras de Natal, o termo Black Friday foi utilizado, pela primeira vez, a 24 de setembro de 1869, data em que houve um crash na famosa Wall Street de Nova Iorque. Mais tarde, já nos anos 60 do século XX, a expressão começou a ser associada à euforia das compras após o Dia da Ação de Graças. Porém, embora a Black Friday seja considerada o maior dia de compras do ano, a data só adquiriu este título nos anos 2000, época em que o termo se universalizou e começou a ser utilizado para definir o dia de promoções e descontos da última sexta-feira do mês de novembro. Em Portugal, a tradição da Black Friday cresceu a partir de 2010, tornando-se numa data comercial. Contudo, as lojas online têm vindo a estender este “período” promocional. Em 2020 a Black Friday tornou-se, em alguns casos, numa “Black Week”. 

Blog

Página do seu website com caráter informativo e educativo. Em termos de SEO, os blogs são um importante contributo para as lojas de ecommerce.

Bounce Rate

A taxa de rejeição, ou bounce rate, diz respeito à percentagem de pessoas que visitaram o nosso site, mas que não continuaram a navegar no mesmo. 

Boxing Day

O Boxing Day é realizado por algumas lojas online como forma de liquidar os produtos que sobraram da época de Natal.

Branded Content 

Conteúdo criado por uma marca com base nos valores e interesses do seu público. Deve ser capaz de oferecer uma experiência ao consumidor, através de conteúdo interessante e de qualidade. O branded content não deve ser confundido com product placement, publirreportagens, publicidade pura e dura ou com patrocínios. O branded content não deve ultrapassar a linha ténue que separa o conteúdo da publicidade, e não deve ser transformado numa ação comercial ou num catálogo de produtos.

Branding

Consiste na criação da identidade da marca.

Break Even Point

Break Even, ou Ponto de Equilíbrio, é um indicador que determina o momento a partir do qual uma empresa iguala os ganhos aos gastos, aos investimentos e, a partir do qual, passa a ter lucro. Este momento está fortemente ligado ao índice de ROI e deve ser acompanhado, de perto, pelo gestor de ecommerce. 

Business Angels

Citando a Associação Portuguesa de Business Angels (APBA), “um business angel é um investidor privado que realiza investimentos em oportunidades nascentes (por exemplo, startup ou early stage) e participa nos projetos com smart money, ou seja, além da capacidade financeira, também contribui com a sua experiência e network de negócios”.

Caderno de Encargos

Aquando da criação de uma loja online, deve ser construído um caderno de encargos para entregar ao parceiro tecnológico em causa. O caderno de encargos deverá conter as necessidades e funcionalidades inerentes à sua plataforma de ecommerce. O sucesso de um negócio de ecommerce depende do caderno de encargos.

Canais de Distribuição

Meios através dos quais se faz chegar os produtos aos consumidores.

Carrinho de compras

Ferramenta que tem como objetivo possibilitar que os consumidores vejam e selecionem produtos numa loja online, antes de passarem para as páginas de checkout.

Carrinho médio / Cesto médio

É o valor médio de cada venda feita num ecommerce.

Categoria de produtos

Forma de organizar os seus produtos no ecommerce. 

CGV (Condições Gerais de Venda)

As Condições Gerais de Venda (CGV) devem conter as condições contratuais de venda do fornecedor dos bens ao consumidor. Devem conter a informação pré-contratual obrigatória nos contratos celebrados à distância, ou fora do estabelecimento comercial, como é o caso das lojas online. As condições devem ser disponibilizadas ao consumidor antes de este efetuar a compra, seja ela em loja online, marketplace ou através de outro meio, como as redes sociais.

Chat

Ferramenta que permite fazer o atendimento ao cliente num ecommerce. Existem inúmeras ferramentas de live chat para customer care em lojas online.

CMS (Content Management System)

Diz respeito ao sistema de gestão de conteúdos online que permite criar, organizar, publicar e apagar conteúdos de um site, de forma prática e rápida. A par disto, o CMS permite gerir conteúdo dinâmico de forma simples, permitindo uma atualização constante de um blog, loja online, etc. 

Código de Defesa do Consumidor

Conjunto de regras criadas para proteger o consumidor nas compras que realiza.

Conversão

Em ecommerce, é registada uma conversão sempre que um cliente completa um determinado objetivo definido pela empresa. Pode ser uma compra, um telefonema, uma subscrição da newsletter, entre outros.

Copywriting

Quer no marketing digital, quer em ecommerce, o conteúdo é fundamental para atrair e fidelizar clientes. Desta feita, o copywriting é um fator-chave que deve merecer especial atenção por parte dos profissionais que atuam nestas áreas. De forma resumida, o copywriting consiste na produção de textos persuasivos para ações de marketing e vendas – como é exemplo o conteúdo de emails, sites e anúncios. Assim sendo, um bom copywriter não se limita a escrever: deve usar as palavras de forma estratégica, tendo em conta uma visão global de marketing, já que um bom copy pode impulsionar (bastante) as taxas de conversão.

CPA (Custo por Aquisição)

É um KPI (key performance indicator) que indica o custo de aquisição de um determinado anúncio. 

Outros KPIs que pode encontrar:

  • CPC – Custo por Clique (Cost per Click)

  • CPD – Custo por Dia (Cost per Day)
  • CPE – Custo por Envio
  • CPM – Custo por Mil (Cost per Thousand)
  • CPV – Custo por Venda (Cost per Sale)
  • CPV – Custo por Visitantes

CRM (Customer Relationship Management)

São toda a classe de sistemas de informações ou ferramentas que automatizam as funções de contacto com o cliente. 

Cronograma do Projeto

Documento onde se encontra todo o planeamento do projeto, dividido em tarefas, e os respetivos responsáveis pelo mesmo.

Cross-selling

Método utilizado em ecommerce para tentar vender produtos adicionais a um cliente existente. O cross-selling é uma das estratégias que lhe permitem aumentar a fatura média do seu ecommerce.

CTA (Call to Action)

Elementos de um website que convidam à ação do consumidor – como um botão ou um link. Também costumam ser utilizados em publicações de redes sociais.

Data-driven Marketing

Marketing orientado por dados. Neste contexto, as tomadas de decisão em marketing têm por base indicadores reais, como algoritmos matemáticos e dados estatísticos, a partir dos quais são definidas as estratégias a implementar no negócio.

Drag and Drop

“Arrastar e soltar”. Em informática, as interfaces de Drag and Drop permitem que as aplicações usem funcionalidades como arrastar e soltar através do navegador. Ou seja, Drag and Drop consiste em selecionar um item ou ícone e arrastá-lo para outro ícone, de forma a transferir ou copiar os ficheiros ou documentos em causa. Este tipo de funcionalidades são muito comuns nas plataformas de ecommerce.

Dropshipping

É uma técnica de gestão logística muito utilizada nos negócios de ecommerce. De forma resumida, consiste em delegar a outra empresa a responsabilidade da gestão do stock de produtos e da entrega dos mesmos aos clientes. Isto é, o dropshipping permite que um revendedor possa vender produtos de outras marcas/empresas no seu ecommerce, delegando a gestão do stock e da expedição até ao cliente final a uma terceira parte – um distribuidor, um retalhista, etc. 

Duração da visita

KPI que nos indica a quantidade de tempo que um cliente dispensou a navegar no website, numa sessão.

eBook

Livro em formato digital que pode ser vendido online.

E-logística (ecommerce logistics/e-logistics)

A logística de ecommerce, ou e-logística, diz respeito à logística das vendas pela Internet. Envolve a configuração de processos específicos, a integração de sistemas, transportes, stock, armazenamento, embalagens e expedição do produto. O principal objetivo é gerir o fluxo de encomendas, desde o ponto de aquisição do produto, até ao consumidor final, disponibilizando os produtos e serviços onde e quando são desejados. A logística é um dos fatores-chave do sucesso de um ecommerce.

ERP

Sigla para Enterprise Resource Planning, que significa Sistema Integrado de Gestão Empresarial. É um software corporativo capaz de controlar todas as informações de uma empresa, integrando dados, recursos e processos, das áreas de Vendas, Finanças, Contabilidade, Fiscalidade, Stock, Compras, Produção e Logística.

FAQ (Frequently Asked Questions)

Perguntas colocadas com frequência pelos seus clientes. É recomendável que seja criada uma página com as respostas a essas questões no seu site e/ou loja online, de modo a evitar pressão sobre o atendimento ao cliente. 

Fonte de tráfego

Origem através da qual o utilizador chega ao seu site. 

Forecasting

Termo muito utilizado no planeamento das receitas e despesas de uma empresa. De forma resumida, forecasting significa previsão de vendas: quanto tempo precisará a empresa para produzir/vender tanto quanto necessário para alcançar as previsões/expectativas comerciais. Por norma, esta previsão parte de dados históricos de vendas para prever tendências de vendas futuras.

Funil de Vendas

O funil de vendas é uma representação das etapas pelas quais passa um potencial cliente, desde o primeiro contacto com a empresa, até ao momento da compra. Por norma, um funil de vendas é dividido em 3 etapas: topo de funil (ToFu), meio de funil (MoFu) e fundo de funil (BoFu).

Gateway

Com um papel fundamental nas comunicações, regra geral, o gateway corresponde ao endereço IP da interface do router onde está ligada a nossa rede. Atua como um ponto de entrada de uma rede para outra(s) rede(s). De forma resumida, apenas é necessário configurar um endereço gateway quando pretendemos comunicar com equipamentos fora da nossa rede ou sub-rede. Ou seja, o (endereço) gateway é a “porta de saída” para uma rede diferente.

Gestão de Stock

Monitorização de todo e qualquer item armazenado, de forma a garantir que nada falta à produção e/ou execução dos serviços, bem como ao controlo de vendas da empresa.

Gestor de ecommerce

Responsável pela parte de ecommerce de uma empresa, um gestor de ecommerce deve reconhecer tendências de mercado, analisar dados, traçar e medir objetivos, definir o budget para investimento e para vendas, gerir equipas, entre outras funções.

O Google Ads é uma ferramenta que permite fazer anúncios na rede de pesquisa da Google, rede de Display, Google Maps, Gmail e em sites parceiros da Google. Desta feita, conseguirá que a sua marca seja encontrada pelos clientes quando estes estão a navegar pela internet. Para quem está a iniciar um projeto de ecommerce, o Google Ads/AdWords é uma ferramenta poderosa e uma das formas mais rápidas de conseguir visitas à sua loja online.

Google Analytics

É a ferramenta mais usada por quem possui websites e lojas online. O Google Analytics permite-lhe analisar e medir, com eficiência, a sua atuação online e traçar estratégias consistentes para o seu negócio. Mais ainda, permite a integração com Google Ads, Google Search Console, entre outras ferramentas mais específicas de reporting e de análise de SEO. Desta forma, terá acesso a dados importantes para o seu negócio de ecommerce, tais como: quem acede ao seu website, taxa de rejeição (bounce rate), origem das conversões geradas, dados demográficos, etc.

Google Data Studio

É uma ferramenta de dashboard da Google, altamente personalizável e fácil de usar. O Google Data Studio é capaz de reunir diversas fontes de dados e extrair informações do Google Analytics, Google Ads, Search Console, YouTube, entre outras, a partir das quais irá criar relatórios e painéis informativos de fácil compreensão e análise.

Hashtag

Termo associado a assuntos ou discussões que se deseja indexar em redes sociais, através da utilização do símbolo cardinal (#) antes da palavra, frase ou expressão. Quando a combinação é publicada, transforma-se num hiperlink que nos reencaminha para uma página com outras publicações relacionadas com o mesmo tema.

Homepage

A homepage é a página inicial do website vista pelo utilizador e que, geralmente, contém informação introdutória e hiperligações para outras partes do site ou para outros sites relevantes.

HTML

É uma linguagem de marcação de texto que funciona através de TAGs e que permite apresentar certas informações na internet, como links, imagens e texto. Todas as páginas que consulta na web resultam da leitura e da interpretação de um arquivo que contém esse código HTML.

HTTP

O HTTP, Hypertext Transfer Protocol, é a base da comunicação de dados da internet. Diz respeito a um protocolo de transferência que permite que as pessoas que inserem a URL do seu site na web possam ver os conteúdos e os dados que nele existem. Desta forma, os sites – e conteúdos – que contenham hiperlinks podem ser encontrados mais facilmente pelos utilizadores. Qualquer servidor escolhido para alojar o seu site estará preparado para receber HTTP. Ou seja, o browser que usa é um cliente HTTP que está, constantemente, a enviar solicitações ao seu servidor.

HTTPS

É uma implementação do protocolo HTTP sobre uma camada adicional de segurança e que utiliza o protocolo SSL/TLS. Essa camada adicional permite que os dados sejam transmitidos por meio de uma conexão criptografada e que se verifique a autenticidade do servidor e do cliente por meio de certificados digitais.

Impressão

Número de vezes que um conteúdo é exibido. É registada uma impressão sempre que o conteúdo é entregue ao feed de alguém. Não é necessário existir interação com o post.

Inbound Marketing

Inbound marketing, ou marketing de atração, diz respeito a um conjunto de estratégias com base na ideia de criação e de partilha de conteúdo dirigido a um público-alvo muito específico, de modo a atraí-lo através da sua “mensagem”. O inbound marketing afasta-se do conceito tradicional de publicidade e permite a conexão com o público-alvo através de três pilares fundamentais: marketing de conteúdo, SEO e estratégias em redes sociais. Através do inbound marketing, a empresa/marca/loja online pode ser promovida através de blogs, podcasts, vídeos, ebooks, newsletters, whitepapers, SEO e outro tipo de marketing de conteúdo. 

Indexação

A indexação de um site permite que o mesmo apareça na rede de pesquisa da Google.

Índice de Qualidade

É uma estimativa da qualidade dos seus anúncios, das suas palavras-chave e das suas páginas de destino. É, no fundo, uma métrica, uma classificação atribuída pela Google à qualidade dos seus anúncios de Google Ads, keywords e landing pages. Os anúncios de maior qualidade podem conduzir a preços mais baixos e a um melhor posicionamento na web.

Jornada de compra

Caminho que um potencial cliente percorre antes de realizar uma compra. Normalmente é constituído por quatro etapas: aprendizagem e descoberta, reconhecimento do problema, consideração da solução e decisão de compra.

Keyword

A Keyword ou palavra-chave é um termo utilizado para descrever, de forma específica, o que o utilizador procura na rede de pesquisa do Google.

KPI (Key Performance Indicator)

Indicador de desempenho que permite medir se uma ação está ou não a ter o resultado pretendido.

Landing page

Página de destino que aparece ao utilizador após clicar num resultado de pesquisa de um motor de busca, de um email ou anúncio online. Por norma, estas páginas de destino são utilizadas para gerar leads.

Lead

Um lead é um potencial cliente. Este demonstra o interesse em adquirir o produto ou serviço de determinada empresa através do preenchimento de formulários online, onde insere os seus dados. Regra geral, o termo lead aparece associado ao conceito de inbound marketing, sendo uma etapa primordial do funil de vendas. 

Lead time

Duração total de um processo de compra, desde o pedido do cliente até à entrega efetiva do produto ou serviço ao mesmo. 

Lead Tracker/Lead Tracking

Lead tracker é a ferramenta que permite rastrear todas as interações de um potencial cliente com uma determinada empresa/marca, desde o primeiro contacto até à realização de uma compra. Lead tracking diz respeito à ação de rastrear e monitorizar essas interações e passos do lead. Ou seja, utiliza-se o lead tracker (software) para proceder ao lead tracking (estratégia).

Link Building

Processo de obtenção de backlinks de outros sites que sejam relevantes para o contexto da marca/empresa. Ou seja, consiste em utilizar estratégias que façam com que outros sites estejam a “apontar” para o nosso.

Logística inversa

Procedimento que tem como principal objetivo facilitar a devolução de um produto num ecommerce. Quando bem estruturada, a logística inversa pode ter um papel crucial na diferenciação de uma empresa face à sua concorrência e contribuir, de forma significativa,  para a fidelização do cliente.

Loja Online

Forma de comércio eletrónico através do qual os consumidores compram bens ou mercadorias diretamente a um vendedor, na Internet, sem um serviço intermediário.

Long-tail keywords

Keywords que contêm, pelo menos, 2 palavras, podendo chegar a ter 5. São, portanto, palavras-chave mais longas e específicas, com maior probabilidade de serem usadas pelos utilizadores em certas situações. Entre outras vantagens, a utilização de long tail keywords facilita a indexação de conteúdo pelo Google. A par disto, permite que a sua empresa/marca/loja se destaque e diferencie da concorrência.

Machine learning

Resumidamente, machine learning é um tipo de inteligência artificial que permite que as aplicações de software sejam bastante precisas na previsão de resultados. Ou seja, consiste na execução de algoritmos que, de modo automático, criam modelos de representação de conhecimento com base num conjunto de dados. Este método permite efetuar previsões de qualidade para situações futuras, relacionadas com padrões históricos.

Market Share

Porção de mercado detida por uma empresa em termos percentuais. 

Marketing de conteúdo

Marketing de conteúdo é o processo de criar, publicar e promover conteúdos personalizados e relevantes para o seu cliente. É um método de marketing que se baseia na angariação de um público fiel por meio da criação e partilha de conteúdos.

Marketing Digital

Termo que define um conjunto de ações que as empresas podem levar a cabo com o propósito de promover a sua marca através dos canais digitais, para divulgar e comercializar os seus produtos e/ou serviços, atrair novos negócios, criar relações e/ou gerar visibilidade de marca. No contexto do ecommerce, é importante definir a estratégia de marketing digital do seu negócio tendo em conta o funil de marketing (angariação, conversão e fidelização).

Meta Tag

As meta tags servem para fornecer informações sobre as páginas web, como o título, descrição, autor e outras informações técnicas. Estes elementos não integram a parte visual de uma página, estando apenas visíveis no código-fonte de documentos HTML e XHTML. As meta tags mais comuns são a Title tag, meta description e viewport. Os motores de pesquisa utilizam a informação contida nestas tags para exibir o texto no título e descrição das páginas de resultados. 

Omnicanal

Experiência de compra totalmente integrada, incluindo os canais de vendas e comunicação, assim como a cadeia de fornecimento (supply chain). Os clientes esperam que as marcas mantenham o nível de interação e de serviço em todos os canais de venda e de comunicação. Outro fator que distingue a estratégia omnicanal é a personalização.

One to One

O marketing one to one é uma forma de marketing individualizado e personalizado, que valoriza cada um dos seus clientes, e que se baseia em quatro passos: identificar, diferenciar, aproximar e personalizar. Desta feita, o one to one estabelece um tipo de interação que remonta às preferências de cada cliente, valorizando-os de forma individual e enquanto peças-chave para o negócio.

Outbound Marketing

Refere-se ao tipo de marketing em que uma empresa envia uma mensagem o mais longe e mais intensamente possível, para onde se encontram os seus potenciais clientes. Os exemplos de outbound marketing (ou marketing externo) incluem formas mais tradicionais de marketing e publicidade, como anúncios de televisão, rádio, jornais, revistas, etc. 

Outsourcing

Recurso a uma fonte externa para satisfazer uma necessidade. Isto é, outsourcing diz respeito a um processo de organização estrutural em que uma empresa (contratante) contrata uma outra (subcontratada), com o intuito de estabelecer uma relação com benefício mútuo, tendo por base o facto de ser necessário desenvolver uma determinada atividade que a primeira organização não pode ou não tem interesse em desempenhar, mas na qual a segunda organização é especialista. Existem diferentes tipos de outsourcing: logísticos, financeiros, administrativos, etc.

PageRank

Métrica utilizada pelo Google para avaliar a importância/relevância que um site, ou página, tem para ele (Google) dentro da web. Até há bem pouco tempo, esta relevância era divulgada ao público, numa escala de 0 a 10, através da Toolbar do Google ou de ferramentas que simulavam a ferramenta para obter este número. Atualmente, já não é possível saber qual é o PageRank do seu website, uma vez que o Google descontinuou a forma de dar a conhecer essa informação.

Page Views

Número de vezes que uma página da internet é visualizada em qualquer navegador. 

Peak Season

Época alta ou alta temporada. Período em que há uma grande procura e subida de preços.

Persona

A persona representa o cliente ideal de um negócio. Com base em dados e características de clientes reais – como o comportamento, dados demográficos, problemas, desafios e objetivos -, a persona funciona como uma ferramenta de segmentação de mercado, é a base do Marketing Digital e orienta a criação de conteúdo.

Pesquisa de Mercado

Ferramenta que permite minimizar riscos e identificar oportunidades em qualquer fase do negócio. É, em resumo, uma forma de recolher informações importantes que auxiliem uma empresa a tomar decisões mais seguras e acertadas. Os dados recolhidos poderão ser características comportamentais, hábitos de consumo, bem como o levantamento de benchmarking de empresas de diferentes setores. Estas informações podem ser obtidas através de uma pesquisa primária ou de uma pesquisa secundária.

Pesquisa Orgânica

A pesquisa orgânica diz respeito à lista de resultados orgânicos – naturais, não pagos – que aparecem na página de resultados de determinada pesquisa.

Pixel (do Facebook)

Recurso que permite monitorizar as conversões de um site e criar públicos para as campanhas de anúncios do Facebook.  

Plug-in

No ramo da informática, um plug-in é um componente de software que adiciona novas funcionalidades ao mesmo.

Programa de afiliados

Estratégia clássica de marketing e vendas que consiste na divulgação de produtos digitais de terceiros.

Proposta única de valor

Frase curta, clara e sucinta que descreve a forma como determinada marca se distingue no mercado. É pensada para o público-alvo e tem em conta aquilo que este valoriza. Não deve ser entendida ou construída como um slogan.

Proto-persona

No contexto do marketing digital para ecommerce, aquando da realização do plano de marketing e da definição da análise estratégica, numa primeira fase, devemos definir quem são as proto-personas da marca. Isto é, tendo por base o produto/serviço que vamos lançar, identificamos quem serão, à partida, os nossos potenciais clientes. Após realizarmos o user research, iremos validar as proto-personas definidas anteriormente. 

Rede de Display do Google

Conjunto de websites, vídeos e aplicações onde pode apresentar os seus anúncios do Google Ads. Com a Rede de Display pode utilizar a segmentação para exibir os seus anúncios em contextos muito específicos – como, por exemplo, “saúde”, “lifestyle”, “bem-estar”, etc -, a determinados públicos-alvo, que se encontrem em certas pontos geográficos, entre outras especificidades. 

Redes sociais

Plataformas digitais que permitem a ligação e interação entre diferentes pessoas e onde se estabelece um conjunto de relações entre utilizadores, através da partilha de interesses, conhecimentos e/ou valores comuns, bem como da publicação de texto, imagem, vídeo e/ou áudio

Remarketing

O remarketing é uma das facilidades oferecidas às empresas pelo marketing digital, para que possam vender mais e melhor, através do desafio de voltar a fazer marketing dirigido a utilizadores que já demonstraram interesse pelo produto que vendem ou serviço que prestam. O objetivo passa por voltar a gerar impacto junto desses utilizadores. Mesmo que estes abandonem o site, através do remarketing, a empresa consegue voltar a atraí-los, fazendo com que voltem ao site e concluam a compra. Enquanto estratégia, o remarketing tem um forte impacto sobre um potencial cliente, sendo um grande aliado para o seu negócio. Tendo em conta o “histórico” das ações dos potenciais clientes, a empresa consegue redirecionar os anúncios online com eficiência e reconquistar os utilizadores que, até então, eram dados como “perdidos”.

Remarketing Dinâmico

Tipo de campanhas que permite apresentar anúncios de remarketing de produtos (ou conteúdo) com uma grande probabilidade de despertar interesse nos seus potenciais clientes. Estes anúncios têm por base as pesquisas realizadas por esses mesmos utilizadores. Ou seja: quando os seus potenciais clientes procuram produtos específicos no seu site mas saem sem efetuar qualquer compra, pode recorrer ao remarketing dinâmico para mostrar conteúdo e produtos relacionados com aqueles que foram pesquisados anteriormente, aquando de novas  pesquisas na Rede de Display do Google. O remarketing dinâmico é, portanto, essencial para o negócio de ecommerce. Permite a automatização das campanhas (tradicionais) de remarketing, facilitando a gestão diária do anunciante. Este tipo de campanha permite adaptar a mensagem à audiência com base nos seus comportamentos. 

Review

Uma review é uma crítica, uma avaliação. No âmbito do ecommerce, as reviews consistem nos comentários feitos pelos clientes aos produtos e/ou serviços oferecidos pelas lojas online. São um recurso poderoso e contribuem, de forma significativa, para o sucesso do negócio de ecommerce. 

Rich Media Banner

Rich media é um termo associado à publicidade digital. Diz respeito a um anúncio que inclui recursos avançados, como vídeo, áudio ou outros elementos que incentivem o utilizador a interagir e a envolver-se com o conteúdo. O anúncio pode expandir, flutuar, entre outros efeitos. Neste contexto, um rich media banner é o formato de anúncio de rich media mais básico. É um banner não estático que pode incluir vídeo e tecnologia associada a download.  

ROAS (Return on Advertising Spend)

Retorno do investimento em publicidade. É uma métrica que calcula o lucro gerado por campanhas publicitárias, em relação ao valor previamente investido. Ou seja, o ROAS mede as receitas e os custos envolvidos em publicidade paga. 

ROI (Return on Investment)

Indicador que mede o retorno de um determinado investimento. É uma métrica fundamental para o seu negócio de ecommerce. Permite-lhe perceber se está no caminho certo, se as estratégias de marketing estão a surtir efeito e se o investimento realizado está a gerar lucro ou prejuízo. 

SEA (Search Engine Advertising)

Publicidade nos motores de busca. É uma ferramenta indispensável para quem procura uma solução rápida – e eficaz – no que toca à visibilidade da marca e ao aumento de tráfego no site/loja online. Ao contrário dos resultados orgânicos, o tráfego fruto de SEA tem origem em links patrocinados ou, simplesmente, em resultados pagos. Este tipo de publicidade é feita através de anúncios – com recurso ao Google Ads, por exemplo – que estão indexados a determinadas keywords, previamente estudadas.

Segmento de mercado

Grupo de clientes – ou de consumidores – que partilham das mesmas necessidades e preferências de consumo. Através da segmentação de mercado, processo que permite criar os segmentos de mercado, é possível adaptar, de forma eficaz, as estratégias de marketing ao público-alvo em causa. As variáveis utilizadas para a criação de segmentos de mercado devem ir ao encontro dos objetivos definidos a nível de marketing e poderão ser de ordem demográfica, geográfica, comportamental, etc. De referir, ainda, que quando são utilizados critérios de segmentação muito restritos – o que resulta num segmento de mercado de pequena dimensão e com características muito próprias -, a designação muda: estamos perante um nicho de mercado.

SEM (Search Engine Marketing)

Conjunto de técnicas de marketing que têm como objetivo promover um determinado website nas páginas de resposta de um motor de pesquisa (por exemplo, no Google), de modo a que apareça no topo dos resultados. Desta forma, conseguirá aumentar o tráfego, o número de visitantes ao site e impulsionar a taxa de conversão, o que irá fazer crescer o seu negócio de ecommerce.

SEO (Search Engine Optimization)

Otimização para motores de busca. Através desta, é possível gerar tráfego orgânico (gratuito), de qualidade, para a sua loja online, uma vez que esta irá aparecer nas páginas de resposta dos motores de busca como o Google, por exemplo. Como as principais posições da página de resultados de uma pesquisa orgânica acabam por gerar a grande maioria dos cliques, estar entre estas primeiras posições não só significa mais tráfego como, consequentemente, mais conversões. A otimização de SEO é uma das estratégias mais importantes no âmbito do marketing digital.

SERP (Search Engine Results Page)

Página de resultados de um motor de pesquisa. Ou seja, é a página que contém as informações e links relacionados com aquilo que foi procurado. Por exemplo, numa pesquisa simples, como resultado do tráfego orgânico, a SERP apresentará 10 links por página, além de anúncios em destaque.

Site responsivo

Um site responsivo é aquele que está construído de modo a que seja corretamente visualizado em qualquer dispositivo móvel, independentemente da dimensão do ecrã. Ou seja, possui um design responsivo. Na prática, um site “mobile friendly” apresenta os conteúdos em função da resolução do ecrã do dispositivo em causa, otimizando a experiência do utilizador. De realçar que esta não é, meramente, uma questão qualitativa: quanto melhor for a experiência do utilizador, melhor será a posição do seu site no ranking da página de resultados dos motores de pesquisa e, consequentemente, menor será a taxa de rejeição (bounce rate).

SKU (Stock Keeping Unit)

Unidade de manutenção de stock. Como o nome indica, é um código, geralmente constituído por oito dígitos alfanuméricos, atribuído aos produtos para gestão e acompanhamento interno do stock existente. Ao contrário dos UPC (Universal Product Code), os SKU não são códigos universais. Cada marca de retalho tem o seu próprio conjunto de SKU que, regra geral, são divididos por classificação e categoria. 

Supply Chain

Termo que corresponde a todo o processo logístico da empresa, desde a produção, até à venda do produto ao consumidor final. Nesta “cadeia de fornecimento” estão incluídos os fabricantes, os fornecedores, as transportadoras, os retalhistas, os armazéns e, até, os próprios consumidores. 

Tag

As tags são scripts adicionados ao código de um site com o objetivo e função de acompanhar algum tipo de atividade dos visitantes do mesmo.

Tag Manager (Google Tag Manager)

Ferramenta gratuita do Google desenvolvida para automatizar e gerir a inserção de tags de acompanhamento num site, permitindo-lhe instalar códigos de diversas fontes sem necessitar de ajuda de um programador web. Deste modo, é possível configurar vários pontos de monitorização sem que isto lhe gere um trabalho extra. Ao centrar a sua gestão de códigos no Google Tag Manager, o marketing ganha autonomia, melhora a produtividade e reduz custos com TI. A utilização conjunta do Tag Manager e do Analytics é uma excelente solução para conseguir analisar um conjunto mais alargado de métricas associadas ao seu website ou loja online.

Target

Público-alvo de uma marca, loja online ou campanha em específico.

Taxa de conversão

Métrica utilizada para calcular que parte da sua audiência efetivamente converte e gera resultados para o seu negócio. Ou seja, que percentagem de utilizadores que acedem ao seu site realizam uma determinada ação, previamente planeada. Para obter a taxa de conversão é necessário proceder ao cálculo da quantidade de conversões em comparação com o número total de visitantes de uma determinada página do site. No caso de um ecommerce, por exemplo, pode calcular-se a taxa de conversão de uma determinada página de produto. A taxa de conversão é calculada em percentagem e é uma das métricas mais comuns no marketing digital.

Teste A/B (A/B testing)

É um processo simples de comparação entre duas campanhas diferentes, cujo principal objetivo é ajudar as empresas a perceber o que funciona melhor nas campanhas que realizam em qualquer canal de comunicação. No mundo do ecommerce o teste A/B também poderá ser utilizado para perceber que tipo de publicidade gera mais interação ou, por exemplo, para descobrir qual é o tipo de linguagem que mais atrai o seu público-alvo. De realçar que o teste A/B funciona como uma variável única.

Ticket Médio

Indicador de desempenho que fornece o valor médio de vendas por cliente. É, no fundo, a métrica que revela o comportamento do cliente para com a marca.

UI (User Interface)

Interface do utilizador. Representa tudo aquilo que é utilizado na interação entre o utilizador e o site (ou app). Esta interface deverá estar perfeitamente funcional e ser simples e fácil de usar, de modo a satisfazer as necessidades do utilizador com eficiência. Desta feita, é possível melhorar a experiência do utilizador e, ao mesmo tempo, aumentar a taxa de conversão.

URL (Uniform Resource Locator)

Endereço eletrónico que permite que o seu site seja encontrado na web.

UX (User Experience)

A UX, User Experience, diz respeito à experiência do utilizador, englobando todos os aspetos da interação deste com a empresa, com os seus serviços e produtos. Assim sendo, a UX foca-se em aspetos que vão muito para lá da facilidade de interação do utilizador: procura otimizar a experiência com as páginas web desde o primeiro contacto. O termo é bastante amplo. Quando falamos em ecommerce, é importante referir que UX não envolve, apenas, o design do produto e o desenvolvimento do mesmo. Neste contexto, a User Experience deve ter em conta todas as etapas do cliente, desde o primeiro contacto com a marca, até ao pós-venda.

Visual Merchandising

Indispensável num negócio de ecommerce, o visual merchandising é uma ferramenta do marketing que atua no ponto de venda (na loja online) e que engloba todo e qualquer elemento que visa melhorar a experiência do consumidor, bem como fortalecer a imagem da empresa perante os seus clientes e, consequentemente, gerar vendas. Combina marketing e comunicação visual. Tudo o que o cliente vê e sente pode ser estimulado pelo visual merchandising

Web Analytics

Análise de dados digitais que auxiliam a tomada de decisões no âmbito da otimização do negócio de ecommerce. Os dados a analisar são fruto das ações dos utilizadores. Esta análise permite uma melhor compreensão do comportamento dos potenciais clientes e ajuda a tomar decisões mais assertivas. O objetivo é otimizar o seu negócio com base em resultados anteriores. 

Web Service

Um Web Service é um conjunto de métodos que pode ser acedido e “invocado” por outros programas através de tecnologias web.  É utilizado para transferir dados, através de protocolos de comunicação, para diferentes plataformas, independentemente das linguagens de programação que estas utilizam. Mais ainda, permite reutilizar sistemas já existentes e acrescentar-lhes novas funcionalidades, sem que, para isso, seja necessário criar um novo sistema do zero. Os Web Services funcionam com qualquer sistema operativo, plataforma de hardware ou linguagem de programação de suporte web. Transmitem, apenas, informação. Não se trata de aplicações web que suportam páginas que podem ser acedidas pelos utilizadores através de browsers. 

Wholesale

Modelo de comércio B2B no qual, ao invés de vender os seus produtos de forma individual aos consumidores, vende-os a granel e com desconto para as empresas. Ou seja, o seu ecommerce atua como intermediário entre o fabricante e o distribuidor ou retalhista.

XML (Extensible Markup Language)

Linguagem de marcação que define um conjunto de regras para codificação de documentos, com o objetivo de padronizar sequências de dados, de modo a facilitar a comunicação com e entre sistemas digitais. A linguagem XML é extensível. Ou seja, permite-lhe definir os elementos de marcação, oferecendo-lhe a possibilidade de poder criar as suas próprias marcações e incorporá-las no código em causa a seu bel-prazer. Por exemplo, a linguagem HTML obriga ao uso de algumas tags pré-definidas.  


Nelson Peixoto
Nelson Peixoto

Ecommerce & Digital Marketing Consultant