A terceira – e última – parte do glossário de ecommerce reúne e sintetiza alguns dos termos mais utilizados no contexto da otimização e gestão de um negócio de ecommerce – como, por exemplo, ROI, ROAS, SEO, Teste A/B, Ticket Médio, etc.

Tal como na primeira e segunda partes, apresentamos-lhe uma definição simples e concisa dos “chavões” associados ao mundo do comércio e do marketing no digital.

Glossário [Q-Z]

R

Rede de Display do Google

Conjunto de websites, vídeos e aplicações onde pode apresentar os seus anúncios do Google Ads. Com a Rede de Display pode utilizar a segmentação para exibir os seus anúncios em contextos muito específicos – como, por exemplo, “saúde”, “lifestyle”, “bem-estar”, etc -, a determinados públicos-alvo, que se encontrem em certas pontos geográficos, entre outras especificidades. 

Redes sociais

Plataformas digitais que permitem a ligação e interação entre diferentes pessoas e onde se estabelece um conjunto de relações entre utilizadores, através da partilha de interesses, conhecimentos e/ou valores comuns, bem como da publicação de texto, imagem, vídeo e/ou áudio

Remarketing

O remarketing é uma das facilidades oferecidas às empresas pelo marketing digital, para que possam vender mais e melhor, através do desafio de voltar a fazer marketing dirigido a utilizadores que já demonstraram interesse pelo produto que vendem ou serviço que prestam. O objetivo passa por voltar a gerar impacto junto desses utilizadores. Mesmo que estes abandonem o site, através do remarketing, a empresa consegue voltar a atraí-los, fazendo com que voltem ao site e concluam a compra. Enquanto estratégia, o remarketing tem um forte impacto sobre um potencial cliente, sendo um grande aliado para o seu negócio. Tendo em conta o “histórico” das ações dos potenciais clientes, a empresa consegue redirecionar os anúncios online com eficiência e reconquistar os utilizadores que, até então, eram dados como “perdidos”.

Remarketing Dinâmico

Tipo de campanhas que permite apresentar anúncios de remarketing de produtos (ou conteúdo) com uma grande probabilidade de despertar interesse nos seus potenciais clientes. Estes anúncios têm por base as pesquisas realizadas por esses mesmos utilizadores. Ou seja: quando os seus potenciais clientes procuram produtos específicos no seu site mas saem sem efetuar qualquer compra, pode recorrer ao remarketing dinâmico para mostrar conteúdo e produtos relacionados com aqueles que foram pesquisados anteriormente, aquando de novas  pesquisas na Rede de Display do Google. O remarketing dinâmico é, portanto, essencial para o negócio de ecommerce. Permite a automatização das campanhas (tradicionais) de remarketing, facilitando a gestão diária do anunciante. Este tipo de campanha permite adaptar a mensagem à audiência com base nos seus comportamentos. 

Review

Uma review é uma crítica, uma avaliação. No âmbito do ecommerce, as reviews consistem nos comentários feitos pelos clientes aos produtos e/ou serviços oferecidos pelas lojas online. São um recurso poderoso e contribuem, de forma significativa, para o sucesso do negócio de ecommerce. 

Rich Media Banner

Rich media é um termo associado à publicidade digital. Diz respeito a um anúncio que inclui recursos avançados, como vídeo, áudio ou outros elementos que incentivem o utilizador a interagir e a envolver-se com o conteúdo. O anúncio pode expandir, flutuar, entre outros efeitos. Neste contexto, um rich media banner é o formato de anúncio de rich media mais básico. É um banner não estático que pode incluir vídeo e tecnologia associada a download.  

ROAS (Return on Advertising Spend)

Retorno do investimento em publicidade. É uma métrica que calcula o lucro gerado por campanhas publicitárias, em relação ao valor previamente investido. Ou seja, o ROAS mede as receitas e os custos envolvidos em publicidade paga. 

ROI (Return on Investment)

Indicador que mede o retorno de um determinado investimento. É uma métrica fundamental para o seu negócio de ecommerce. Permite-lhe perceber se está no caminho certo, se as estratégias de marketing estão a surtir efeito e se o investimento realizado está a gerar lucro ou prejuízo. 

S

SEA (Search Engine Advertising)

Publicidade nos motores de busca. É uma ferramenta indispensável para quem procura uma solução rápida – e eficaz – no que toca à visibilidade da marca e ao aumento de tráfego no site/loja online. Ao contrário dos resultados orgânicos, o tráfego fruto de SEA tem origem em links patrocinados ou, simplesmente, em resultados pagos. Este tipo de publicidade é feita através de anúncios – com recurso ao Google Ads, por exemplo – que estão indexados a determinadas keywords, previamente estudadas.

Segmento de mercado

Grupo de clientes – ou de consumidores – que partilham das mesmas necessidades e preferências de consumo. Através da segmentação de mercado, processo que permite criar os segmentos de mercado, é possível adaptar, de forma eficaz, as estratégias de marketing ao público-alvo em causa. As variáveis utilizadas para a criação de segmentos de mercado devem ir ao encontro dos objetivos definidos a nível de marketing e poderão ser de ordem demográfica, geográfica, comportamental, etc. De referir, ainda, que quando são utilizados critérios de segmentação muito restritos – o que resulta num segmento de mercado de pequena dimensão e com características muito próprias -, a designação muda: estamos perante um nicho de mercado.

SEM (Search Engine Marketing) 

Conjunto de técnicas de marketing que têm como objetivo promover um determinado website nas páginas de resposta de um motor de pesquisa (por exemplo, no Google), de modo a que apareça no topo dos resultados. Desta forma, conseguirá aumentar o tráfego, o número de visitantes ao site e impulsionar a taxa de conversão, o que irá fazer crescer o seu negócio de ecommerce.

SEO (Search Engine Optimization)

Otimização para motores de busca. Através desta, é possível gerar tráfego orgânico (gratuito), de qualidade, para a sua loja online, uma vez que esta irá aparecer nas páginas de resposta dos motores de busca como o Google, por exemplo. Como as principais posições da página de resultados de uma pesquisa orgânica acabam por gerar a grande maioria dos cliques, estar entre estas primeiras posições não só significa mais tráfego como, consequentemente, mais conversões. A otimização de SEO é uma das estratégias mais importantes no âmbito do marketing digital.

SERP (Search Engine Results Page)

Página de resultados de um motor de pesquisa. Ou seja, é a página que contém as informações e links relacionados com aquilo que foi procurado. Por exemplo, numa pesquisa simples, como resultado do tráfego orgânico, a SERP apresentará 10 links por página, além de anúncios em destaque.

Site responsivo

Um site responsivo é aquele que está construído de modo a que seja corretamente visualizado em qualquer dispositivo móvel, independentemente da dimensão do ecrã. Ou seja, possui um design responsivo. Na prática, um site “mobile friendly” apresenta os conteúdos em função da resolução do ecrã do dispositivo em causa, otimizando a experiência do utilizador. De realçar que esta não é, meramente, uma questão qualitativa: quanto melhor for a experiência do utilizador, melhor será a posição do seu site no ranking da página de resultados dos motores de pesquisa e, consequentemente, menor será a taxa de rejeição (bounce rate).

SKU (Stock Keeping Unit)

Unidade de manutenção de stock. Como o nome indica, é um código, geralmente constituído por oito dígitos alfanuméricos, atribuído aos produtos para gestão e acompanhamento interno do stock existente. Ao contrário dos UPC (Universal Product Code), os SKU não são códigos universais. Cada marca de retalho tem o seu próprio conjunto de SKU que, regra geral, são divididos por classificação e categoria. 

Supply Chain

Termo que corresponde a todo o processo logístico da empresa, desde a produção, até à venda do produto ao consumidor final. Nesta “cadeia de fornecimento” estão incluídos os fabricantes, os fornecedores, as transportadoras, os retalhistas, os armazéns e, até, os próprios consumidores. 

T

Tag

As tags são scripts adicionados ao código de um site com o objetivo e função de acompanhar algum tipo de atividade dos visitantes do mesmo.

Tag Manager (Google Tag Manager)

Ferramenta gratuita do Google desenvolvida para automatizar e gerir a inserção de tags de acompanhamento num site, permitindo-lhe instalar códigos de diversas fontes sem necessitar de ajuda de um programador web. Deste modo, é possível configurar vários pontos de monitorização sem que isto lhe gere um trabalho extra. Ao centrar a sua gestão de códigos no Google Tag Manager, o marketing ganha autonomia, melhora a produtividade e reduz custos com TI. A utilização conjunta do Tag Manager e do Analytics é uma excelente solução para conseguir analisar um conjunto mais alargado de métricas associadas ao seu website ou loja online.

Target

Público-alvo de uma marca, loja online ou campanha em específico.

Taxa de conversão

Métrica utilizada para calcular que parte da sua audiência efetivamente converte e gera resultados para o seu negócio. Ou seja, que percentagem de utilizadores que acedem ao seu site realizam uma determinada ação, previamente planeada. Para obter a taxa de conversão é necessário proceder ao cálculo da quantidade de conversões em comparação com o número total de visitantes de uma determinada página do site. No caso de um ecommerce, por exemplo, pode calcular-se a taxa de conversão de uma determinada página de produto. A taxa de conversão é calculada em percentagem e é uma das métricas mais comuns no marketing digital.

Teste A/B (A/B testing)

É um processo simples de comparação entre duas campanhas diferentes, cujo principal objetivo é ajudar as empresas a perceber o que funciona melhor nas campanhas que realizam em qualquer canal de comunicação. No mundo do ecommerce o teste A/B também poderá ser utilizado para perceber que tipo de publicidade gera mais interação ou, por exemplo, para descobrir qual é o tipo de linguagem que mais atrai o seu público-alvo. De realçar que o teste A/B funciona como uma variável única.

Ticket Médio

Indicador de desempenho que fornece o valor médio de vendas por cliente. É, no fundo, a métrica que revela o comportamento do cliente para com a marca.

U

UI (User Interface)

Interface do utilizador. Representa tudo aquilo que é utilizado na interação entre o utilizador e o site (ou app). Esta interface deverá estar perfeitamente funcional e ser simples e fácil de usar, de modo a satisfazer as necessidades do utilizador com eficiência. Desta feita, é possível melhorar a experiência do utilizador e, ao mesmo tempo, aumentar a taxa de conversão.

URL (Uniform Resource Locator)

Endereço eletrónico que permite que o seu site seja encontrado na web.

UX (User Experience)

A UX, User Experience, diz respeito à experiência do utilizador, englobando todos os aspetos da interação deste com a empresa, com os seus serviços e produtos. Assim sendo, a UX foca-se em aspetos que vão muito para lá da facilidade de interação do utilizador: procura otimizar a experiência com as páginas web desde o primeiro contacto. O termo é bastante amplo. Quando falamos em ecommerce, é importante referir que UX não envolve, apenas, o design do produto e o desenvolvimento do mesmo. Neste contexto, a User Experience deve ter em conta todas as etapas do cliente, desde o primeiro contacto com a marca, até ao pós-venda.

V

Visual Merchandising

Indispensável num negócio de ecommerce, o visual merchandising é uma ferramenta do marketing que atua no ponto de venda (na loja online) e que engloba todo e qualquer elemento que visa melhorar a experiência do consumidor, bem como fortalecer a imagem da empresa perante os seus clientes e, consequentemente, gerar vendas. Combina marketing e comunicação visual. Tudo o que o cliente vê e sente pode ser estimulado pelo visual merchandising

W

Web Analytics

Análise de dados digitais que auxiliam a tomada de decisões no âmbito da otimização do negócio de ecommerce. Os dados a analisar são fruto das ações dos utilizadores. Esta análise permite uma melhor compreensão do comportamento dos potenciais clientes e ajuda a tomar decisões mais assertivas. O objetivo é otimizar o seu negócio com base em resultados anteriores. 

Web Service

Um Web Service é um conjunto de métodos que pode ser acedido e “invocado” por outros programas através de tecnologias web.  É utilizado para transferir dados, através de protocolos de comunicação, para diferentes plataformas, independentemente das linguagens de programação que estas utilizam. Mais ainda, permite reutilizar sistemas já existentes e acrescentar-lhes novas funcionalidades, sem que, para isso, seja necessário criar um novo sistema do zero. Os Web Services funcionam com qualquer sistema operativo, plataforma de hardware ou linguagem de programação de suporte web. Transmitem, apenas, informação. Não se trata de aplicações web que suportam páginas que podem ser acedidas pelos utilizadores através de browsers. 

Wholesale

Modelo de comércio B2B no qual, ao invés de vender os seus produtos de forma individual aos consumidores, vende-os a granel e com desconto para as empresas. Ou seja, o seu ecommerce atua como intermediário entre o fabricante e o distribuidor ou retalhista.

X

XML (Extensible Markup Language)

Linguagem de marcação que define um conjunto de regras para codificação de documentos, com o objetivo de padronizar sequências de dados, de modo a facilitar a comunicação com e entre sistemas digitais. A linguagem XML é extensível. Ou seja, permite-lhe definir os elementos de marcação, oferecendo-lhe a possibilidade de poder criar as suas próprias marcações e incorporá-las no código em causa a seu bel-prazer. Por exemplo, a linguagem HTML obriga ao uso de algumas tags pré-definidas.  

 

Consulte, ainda, a versão completa do glossário, de A a Z.