Existem vários formatos de venda online, tais como possuir uma loja online própria com stock dedicado, usufruir do stock de uma rede de lojas e vender numa plataforma de ecommerce da própria marca ou mesmo recorrer a plataformas de ecommerce com elevado volume de tráfego e vendas: os marketplaces.

Neste artigo pretendemos que fique a conhecer os diversos tipos de marketplaces que existem e como poderá investir numa dessas plataformas para aumentar o seu negócio online. Embora existam alguns projetos que possuem exclusivamente como canal de venda os marketplaces, sugerimos que os marketplaces façam parte da estratégia global da venda dos seus produtos online e não se posicionem como canal exclusivo da marca. De seguida iremos explicar o porquê de sugerirmos esta estratégia integrada.

O que é um marketplace?

Um marketplace é uma plataforma de vendas online que reúne vários vendedores e marcas num único local. Quando uma marca vende num marketplace, o que normalmente acontece é que após a receção da encomenda, irá expedir a mesma diretamente ao cliente final. Ou seja, é a marca que guarda o stock e envia o mesmo ao consumidor – também conhecido por droppshipping. Existem hoje modelos híbridos, como é o caso da Otto que envia uma única encomenda diária consolidada às marcas e, que após receber o stock, envia a encomenda ao consumidor final; ou ainda modelos de armazenamento dos produtos como o da Amazon FBA (fullfiled by Amazon), em que o stock está no armazém da Amazon e são os serviços de logística que efetuam a expedição dos produtos (o stock continua a ser exclusivamente da marca, a qual paga um fee à amazon pelo serviço de armazenamento e expedição). Estes produtos são elegíveis para os serviços Prime e Prime Now (modelo anual de subscrição da Amazon o qual inclui envios gratuitos em todas as encomendas).

Alguns dos marketplaces mais reconhecidos mundialmente são a Amazon, o Ebay e a Farfetch, por exemplo. A grande vantagem de utilização dos marketplaces na estratégia de vendas online, é a possibilidade de colocar um marca ou produto junto de uma grande audiência, em grande parte fidelizada ao marketplace. Se, por um lado, reduz-se o investimento numa plataforma de ecommerce e  uma parte do investimento em marketing digital, por outro lado é importante ter em consideração que o marketplace irá receber uma percentagem da sua margem a cada venda efetuada.

Uma estratégia de vendas online centrada apenas em marketplaces não nos parece a mais correta; deve sim, investir em marketplaces como complemento à sua estratégia global enquanto marca. Embora investir apenas em marketplaces possa parecer o mais viável a curto prazo – um investimento menor em tecnologia e marketing, principalmente para empresas que possuem um único produto ou gama de produtos -, a longo prazo apostar em apenas um canal, cria dependência absoluta do mesmo e reduz as nossas possibilidades de crescimento enquanto marca. O ideal será apostar numa estratégia mista: criar a sua loja online com integração direta com marketplaces; com isto, conseguirá controlar num único local as suas listagens de produtos, preços, stocks, e encomendas, mas também terá a possibilidade de rentabilizar mais e melhor o seu inventário.

Várias tipologias de marketplaces

Os marketplaces são uma tendência crescente em ecommerce, tendo sido já referenciados online e offline em diversos artigos. De acordo com o artigo da Forbes “What Are Online Marketplaces And What Is Their Future?”, existem 3 tipos de marketplaces:

Verticais: vendem produtos de diversas marcas mas focam-se em apenas um sector como jóias ou calçado;

Horizontais: os produtos vendidos são focados numa tipologia de cliente e reúnem fornecedores de diversos sectores, como por exemplo, marketplaces focados em jovens mais que vendem todo o tipo de produtos para bebés e mães.

Globais: marketplaces que vendem todo o tipo de produtos. Não é ao acaso que a Amazon se auto-intitula de “Everything Store” – a loja que tem tudo.

Como escolher um marketplace para vender os meus produtos online

Em primeiro lugar é fundamental conhecer o seu produto e cliente. Dependendo do seu target, poderá optar por marketplaces globais ou mais especializados.

Deve ter em consideração que vender num marketplace não significa apenas abrir uma conta e colocar os seus produtos à venda: terá de desenvolver conteúdos sobre os seus – imagens, vídeos, descrições completas, categorização dos produtos de acordo com cada marketplace, tradução para cada língua e implementação de listas de preços para cada moeda – para que os mesmos sejam colocados na plataforma.

Cada marketplace tem a sua lista de requisitos, sobre os quais deve refletir antes de avançar com a implementação do projeto. Dependendo do marketplace poderá, ou não, ter a possibilidade de negociar a percentagem a dar ao parceiro por cada venda.

Alguns marketplaces possuem ferramentas de promoção e publicidade dentro da mesma; por esse motivo, deverá analisar qual o investimento publicitário que poderá efetuar na plataforma para dar mais destaque aos seus produtos.

Considere integrar a sua loja online com os marketplaces; dessa forma irá reduzir tempo na gestão diária dos múltiplos projetos e poderá dedicar-se a desenvolver a estratégia em cada canal.

Os maiores online Marketplaces segundo o Blog LinnWorks:

Fonte da lista: http://blog.linnworks.com/complete-list-of-online-marketplaces

Amazon

Airbnb

Asos Marketplace

CDiscount

Ebay

El Corte Inglés Espanha

Etsy

Farfetch

Flipkart

Fnac

JD.com

Jet

La Redoute em França

Mercado libre

Minty square

Otto

Overcube

Pixmania

Price Minister

Rakuten

Sears

Spartoo

Walmart

Zalando

Quer aprender mais sobre ecommerce? Conheça o nosso curso de lançamento de projetos de ecommerce:

Não perca nenhum conteúdo sobre como criar ou otimizar a sua loja online.

Subscreva a nossa newsletter:
http://eepurl.com/c0z2xb

Siga-nos nas redes sociais:
https://www.facebook.com/tudosecommerce
https://www.instagram.com/tudosobreecommerce
https://www.linkedin.com/company/tudo-sobre-ecommerce